estudar antes de dormir

Estudar antes de dormir funciona? Entenda a efetividade da aprendizagem à noite

Se você é estudante, em algum momento já deve ter se perguntado: estudar antes de dormir funciona?

Essa informação é importante porque, afinal, nossa concentração e nosso tempo não são ilimitados, portanto, precisamos saber quando focar nossa energia para ter mais eficiência.

Neste artigo, reunimos informações para que você possa decidir e montar a sua rotina de estudos da melhor forma possível.

Afinal, estudar antes de dormir faz bem?

Vários estudos comprovaram que estudar antes de dormir faz bem. 

Isso porque o nosso cérebro trabalha enquanto a gente dorme, ou seja, tudo que você aprendeu pouco antes de dormir fica melhor armazenado e fixado. 

Dessa forma, estudar imediatamente antes de dormir pode ajudar seu cérebro a reter o conhecimento

Existe até uma expressão em inglês para isso: “sleep-learning”, que significa “aprendizado do sono”.

Isso acontece porque quando estamos acordados, nossas memórias são processadas no hipocampo. 

No entanto, o córtex do cérebro também é fundamental para a memória, e essa área fica mais ativa quando adormecemos. 

Veja também: Técnicas de memorização: guia definitivo para estudantes

Por isso, envolver o córtex no processo de memorização, enquanto a informação ainda está fresca em nossas cabeças, pode ser fundamental para reter as informações.

Porém, não confunda estudar antes de dormir com estudar com sono. São duas coisas completamente diferentes.

Se você está descansado, estude e depois vá dormir. 

Mas se estiver indisposto ou sonolento, o melhor é dormir e retomar os estudos quando estiver descansado. 

O que diz a ciência sobre estudar antes de dormir?

Um estudo de cronobiologia (ciência que estuda os ritmos biológicos) do Brigham and Women’s Hospital em Boston aplicou um teste de memória a partir de reconhecimento facial. 

Nele, metade dos participantes revisou fotos antes de dormir por oito horas, enquanto a outra metade as revisou pela manhã. 

Ambos os grupos “estudaram” pelo mesmo tempo e ambos fizeram o teste de memória 12 horas após o estudo.

O resultado foi que os participantes que estudavam antes de dormir eram mais capazes de combinar nomes com rostos e se sentiam mais confiantes em suas respostas em comparação com aqueles que estudavam pela manhã. 

Assim como esse, existem inúmeros outros estudos que atestam a melhor capacidade de memorização depois de dormir. 

Veja também: Mapas mentais: O que são e como ajudam nos estudos

Não confunda estudar antes de dormir com estudar de madrugada

Muita calma nessa hora! 

Mesmo que você se diga uma “pessoa noturna” e que não sente sono tarde da noite ou na madrugada, não quer dizer que estudar neste momento seja uma boa ideia.

Isso porque todos nós estamos sujeitos às mudanças externas, incluindo as alterações da luz. 

Com isso, estudar de madrugada pode afetar o nosso relógio biológico, que é treinado para descansar à noite, quando não há luz solar. 

Além disso, pesquisas recentes mostram que não manter uma rotina de sete a oito horas diárias de sono faz mal à saúde.

 E se você disser, “ah, mas eu durmo de dia”, saiba que este não será um descanso completo e efetivo.

E não esqueça: o sono é fundamental para o seu aprendizado e memorização.

8 dicas para melhorar seu desempenho nos estudos

Além de estudar antes de dormir, não estudar com sono e não estudar de madrugada, coisas que já falamos até aqui, existem outras dicas de ouro para você melhorar seu desempenho nos estudos. Veja!

1. Revise pouco após estudar 

Todos nós passamos por um fenômeno psicológico chamado de “curva do esquecimento”, que é um declínio da retenção de memória com o tempo se você não voltar ao tema. 

Por isso, revisar o conteúdo que você está estudando após 24 horas aumenta em 80% a taxa de retenção. E se você seguir revisando, em uma semana terá capacidade de reter 100% das mesmas informações.

2. Não fique apenas lendo

Pesquisas mostraram que reler dá apenas uma falsa impressão de conhecimento. 

Por isso, é importante variar a forma de estudo, por exemplo, tentar ensinar outra pessoa, ficar relembrando o que você já aprendeu ou, ainda, escrever tudo o que você estudou. 

Fazendo isso você não apenas está relembrando o conteúdo, como também está mudando a forma com que aquelas informações são armazenadas no seu cérebro.

3. Exercite-se 

Não, não estamos falando de fazer exercícios de conhecimento. 

A dica é praticar exercícios físicos, porque, além de movimentar seu corpo e ter mais energia, com isso o seu cérebro vai produzir substâncias que melhoram sua concentração e a capacidade de adquirir informações com facilidade.

4. Alterne entre os conteúdos

Ao invés de se concentrar apenas em uma área até esgotá-la, o melhor é variar o tema. Claro que não pode ser algo totalmente aleatório: hoje matemática, amanhã português e depois química. 

O melhor é unir temáticas relacionadas ou semelhantes. 

Tudo isso dependerá do seu objetivo e área de conhecimento, claro. Por isso, personalize os seus estudos e não dependa de fórmulas prontas.

5. Teste seu conhecimento

é bom estudar antes de dormir

Ao testar suas habilidades, seja fazendo simulados, seja refazendo exercícios de aula, você vai estar relembrando e reforçando o conteúdo que está estudando. 

Além disso, vai ajudar a identificar quais os conteúdos que você ainda não domina para poder focar nisso ou seguir adiante.

6. Faça pausas inteligentes

Como já dissemos, estudar com sono não é uma boa ideia.

 E, mesmo que você não esteja a ponto de bocejar, passar horas e horas consecutivas estudando não é uma boa ideia. 

Fazer uma pausa de 10 minutos a cada hora de estudo ajuda na memorização dos conteúdos, além de ajudar a aumentar o foco em uma atividade sem chegar ao ponto de perder a concentração.

Outra opção é utilizar o método pomodoro, que consiste em pausas de 5 minutos a cada 25 minutos de estudo.

7. Mude de cenário

Embora você se sinta confortável ou esteja satisfeito em um espaço com todo o conteúdo que precisa, uma mudança simples de cenário pode aumentar os níveis de retenção de informações e concentração. 

Vá do quarto para a sala ou vá para uma biblioteca. Não importa. Mas isso pode fazer grande diferença.

8. Estude na cama

Existe uma técnica, chamada de “estudo na cama”, que pode potencializar seu aprendizado. 

Não significa ler, assistir aula ou fazer questões deitado na cama, mas, sim, fazer uma revisão mental já deitado na cama. 

Isso vai melhorar a fixação dos conteúdos na sua memória, além de perceber os conteúdos que não conseguiu absorver bem e poder voltar a eles no dia seguinte.

Mais qualidade, menos quantidade

Sim, passar 12 horas seguidas estudando ou invadir a madrugada em cima dos livros não vai garantir que você passe numa prova, vestibular ou concurso

Não é a quantidade de horas que você se dedica que são determinantes, mas, sim, a qualidade de tempo que você dispõe.

Pode parecer clichê, mas muita gente, quando se sente pressionado ou ansioso para obter algum resultado, acaba estudando de qualquer jeito.

Por isso, se informe, busque estratégias e aposte nos formatos já comprovados de estudo. Com certeza, sobrará mais tempo para o restante da sua vida e ainda vai garantir melhores resultados nos seus estudos.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail e turbinar seus estudos!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.