currículo primeiro emprego

Currículo do primeiro emprego: Passo a passo + O que não colocar

Você sabe como fazer um bom currículo para conseguir o primeiro emprego?

Sem dúvidas, uma das grandes questões de quem acabou de sair do ensino médio, ou está à procura do primeiro emprego, é saber como montar um bom currículo.

Afinal, no disputado mercado de trabalho, saber se destacar é um grande diferencial para quem busca aquela vaga tão desejada.

Porém, o que colocar no currículo quando não se possui experiências empregatícias anteriores?

Quais informações são relevantes para o recrutador?

Como organizar as informações da maneira correta?

Se você também tem dúvida sobre tudo isso, acompanhe esse artigo que responderemos a essas e a outras perguntas sobre o currículo do primeiro emprego.

O que colocar no currículo do primeiro emprego?

A função do currículo é ser o seu cartão de visitas

É por meio dele que a empresa terá a primeira percepção sobre quem você é, suas experiências e pretensões. 

Nesse sentido, o primeiro passo para montar um currículo é entender qual será sua destinação, ou seja, se o documento será enviado a algum site ou entregue em alguma agência de empregos, no qual as empresas buscam por candidatos, ou se será entregue diretamente no posto de trabalho.

No primeiro caso (enviado para site ou agência de empregos), o currículo deve ter um aspecto mais genérico, logo que a busca passa a ser da empresa e, por isso, o candidato não sabe ao certo para qual vaga o documento será destinado.

Por isso, nesse caso, conter informações mais amplas e genéricas sobre você e suas experiências é o ideal para esse primeiro contato.

No segundo caso (direto no posto de trabalho), quando se entrega diretamente ao recrutador de uma empresa, ou posto de trabalho, o candidato pode preparar um currículo mais completo e direcionado especificamente para a vaga em questão, elencando objetivos e pretensões para a mesma.

Passo a passo para fazer o primeiro currículo

Para facilitar, abaixo separamos um passo-a-passo de 7 etapas que ajudarão você a organizar e estruturar seu currículo:

1. Dados Pessoais

Essas são as primeiras informações que os recrutadores olham para te conhecer e poderem entrar em contato para uma eventual entrevista.

Por isso, atente-se sempre de estes dados estarem corretos e atualizados.

Neste tópico, as informações necessárias são:

  • Nome completo;
  • Endereço com CEP;
  • Cidade;
  • Celular;
  • Telefone para recados (se houver);
  • E-mail;
  • Link do perfil no LinkedIn, caso tenha.

Sexo, idade e estado civil não são necessários.

2. Objetivo

O objetivo acaba sempre sendo uma confusão para os candidatos, logo que diversas pessoas colocam muitos tópicos, o que resulta em uma confusão do que se deseja com aquela vaga. 

Por outro lado, também é muito comum os candidatos simplesmente não saberem o que exatamente colocar neste tópico.

O segredo é colocar um objetivo de forma clara e direta em relação ao que se espera daquela vaga.

Exemplo

  • Objetivo: Atuar na área de vendas, ganhando experiência no relacionamento com o público e aprimorando as habilidades de negociação.

Tratando-se de primeiro emprego, muitas vezes o candidato ainda não sabe ao certo em qual área gostaria de atuar, o que é extremamente normal. 

Por isso, também não há problema algum em simplesmente colocar como objetivo “Primeiro emprego”.

3. Formação Acadêmica

Chegou o momento de mostrar seus interesses em aprender, um passo muito importante para chamar a atenção do recrutador.

Neste tópico, devem ser colocadas as informações referentes ao seu último grau de ensino (se ainda não começou o ensino superior, citar o ensino médio, e assim por diante), na seguinte sequência: 

Curso → Local → Ano de conclusão, ou previsão de conclusão → Descrição (se necessário).

Exemplos:

  • Ensino Médio – E.E. Antônio Reis – 2021;

4. Cursos complementares e experiências

Esse é o espaço para elencar outras qualificações que contribuirão para o cargo, como cursos, palestras, workshops, experiências acadêmicas e afins, podendo substituir o campo “experiências profissionais”, logo que é o primeiro currículo.

Assim como na formação acadêmica, não se esqueça de mencionar também o nome da instituição, mês e ano de início e término, descrição, além da carga horária.

Desta forma, mesmo sem experiências profissionais, você demonstra ao recrutador seu interesse em aprender e aprimorar-se, pontos sempre muito bem vistos por empresas que buscam profissionais capacitados e interessados em progredir profissionalmente.

5. Idiomas

Em um mundo globalizado, ser fluente em uma segunda, ou até mesmo terceira língua, é uma necessidade urgente.

Claro, para o primeiro emprego, esse provavelmente não seja o requisito principal. Porém, possuí-lo sempre é importante para o crescimento profissional.

Por isso, destacar o nível de fluência em uma outra língua é algo extremamente positivo e pode ser elencado em básico, intermediário, avançado e fluente.

Porém, vale destacar que a sinceridade é fundamental nesse tópico, logo que o recrutador pode fazer um teste de idioma na hora da entrevista.

6. Destaque das qualificações

Esse é o momento de se autopromover, apresentando qualificações, qualidades e interesses que demonstrarão seus diferenciais e que agregarão ao trabalho a ser realizado na vaga concorrida.

Por exemplo, se a vaga é para “estágio em criação”, como designer, é possível citar qualidades e habilidades, como:

  • Habilidade com ilustração;
  • Conhecimento em fotografia;
  • Agilidade em criação;
  • Organização;
  • Conhecimento em Adobe Photoshop e Illustrator – nível intermediário. (No caso de softwares específicos, é interessante também apontar o nível de habilidade com eles)

Estas são habilidades e qualidades intrínsecas a você e que te destacam em relação aos outros candidatos.

7. Informações Complementares

Este tópico é destinado à informações importantes, mas que não couberam em algum dos tópicos anteriores. Logo, não é obrigatório o seu uso.

Aqui, pode-se colocar informações como disponibilidade de viagem (no caso de tentar vaga em outra cidade a qual você mora), se possui alguma deficiência, necessidade especial ou de adaptação.

O que não colocar no currículo?

o que não colocar no currículo

Tão importante quanto saber como estruturar o currículo, é saber o que não colocar nele, logo que informações demais tiram o foco do seu real objetivo e podem te prejudicar no momento de seleção de candidatos para entrevista.

1. Foto

A foto só é necessária se solicitada pela empresa. Caso contrário, não utilize-a.

2. Atenção à ortografia e linguagem utilizada

Um dos pontos que mais necessitam de cuidado é a utilização da língua portuguesa de maneira correta.

Por isso, alguns pontos de atenção: 

  • Evite erros ortográficos;
  • Não utilize pronomes pessoais (troque “eu idealizei o projeto”, por “projeto idealizado”)
  • Escreva frases diretas, simples e objetivas, sem floreamento.

3. Dados pessoais irrelevantes

Lembre-se que o currículo é uma apresentação prévia sua. Por isso, não são necessárias informações como:

  • Nome de pais, cônjuges e filhos;
  • Referências pessoais (Apenas se solicitadas);
  • Documentos (RG, CPF, Certificados…);
  • Pretensão salarial (Apenas se solicitada);
  • Informações sobre cursos e qualificações que não se enquadram à vaga.

4. Formatação

Após selecionar todas as informações, é preciso organizá-las. Para isso, o visual se torna extremamente importante. 

Alguns cuidados podem melhorar a aparência do documento e deixá-lo mais atrativo:

  • Evite que o currículo seja mais longo que duas folhas do tamanho A4 (tamanho de um folha sulfite comum);
  • Jamais utilize fontes cursivas e de má leitura. Na dúvida, opte sempre pelas fontes tradicionais, como Times New Roman ou Arial, variando dentre os tamanhos 10 e 12.
  • Evite um currículo colorido. Priorize o preto básico e, para dar destaque às informações mais importantes, utilize o negrito.
  • Não é necessária a numeração, assinatura e datação dos documentos.
  • Nunca utilize “currículo” ou “curriculum vitae” como título.

Como incluir um diferencial sem ter experiência?

Você pode estar se perguntando: como ter experiência se não tenho emprego, e como ter emprego se não tenho experiência? 

Nesse caso, o que colocar nesse campo para demonstrar um diferencial meu?

Realmente esse é um grande paradoxo, mas que pode facilmente ser contornado, se apostadas nas ferramentas corretas.

Um caminho para isso é se envolver em atividades e trabalhos voluntários, seja no colégio, entidades, ONGs ou na própria faculdade.

Embora não remunerados, os trabalhos voluntários agregam muita experiência e são sempre muito bem vistos pelas empresas.

Projetos e trabalhos desenvolvidos no ambiente acadêmico também são ótimas opções de desenvolvimento de habilidades comportamentais e sociais que contam bastante na hora de colocar no currículo, como também a serem citadas no momento da entrevista.

E também não podemos esquecer dos cursos profissionalizantes, como os oferecidos pela Escola Conquistadora que, em geral, são de rápida duração, práticos e com preços acessíveis.

Para muito além de simplesmente contribuir com o seu currículo, tudo isso também te prepara para o mercado de trabalho, aprendendo a trabalhar em equipe e com prazos.

Currículo pronto? Veja 6 boas práticas para enviá-lo por e-mail

Agora que você já está com o currículo completo e bem formatado, chegou o momento de entregá-lo. 

Embora muitas empresas ainda recebam o documento físico, cada vez mais a prática de envio por e-mail é adotada, logo que facilita (e muito) a vida dos recrutadores.

Por isso, depois de montar um currículo excelente, não dá para errar na hora do envio, não é mesmo?

Por isso, confira essas dicas de boas práticas de envio:

1. Assunto do e-mail

Muitas empresas já pedem para enviar o e-mail com um assunto específico. Em casos assim é só seguir o indicado. 

Em casos que não há essa orientação, colocar o nome do cargo concorrido é uma boa opção para o recrutador saber do que se trata o e-mail.

2. Seja claro, objetivo e direto

Lembre-se que todas as suas informações já estão no seu currículo. Por isso, uma pequena apresentação e contextualização da razão de envio do e-mail já é o suficiente para o corpo do texto.

3. Indique seus contatos

Apesar de tais informações já estarem dentro do documento, o e-mail pode ser passado para várias pessoas, o que pode acabar perdendo dados importantes.

Por isso, no corpo do e-mail, indique telefone e o próprio e-mail, facilitando ao recrutador encontrar tais informações.

4. Anexe o currículo sempre no formato PDF

Essa é uma prática muito importante, logo que esse formato permite a fácil visualização e evita alterações no documento.

Aliás, nunca envie o e-mail sem anexo.

5. Todo cuidado para não errar nome da empresa ou vaga ou pessoa

Esse é um cuidado crucial, logo que a desatenção e envio do e-mail com qualquer uma dessas formações erradas, pode transmitir falta de interesse na vaga.

O mesmo vale para erros gramaticais, que geram verdadeiras saias-justas.

A regra de ouro é: sempre revise seu e-mail!

6. Tenha um e-mail profissional

Lembre-se que seu e-mail é uma extensão do seu profissionalismo.

Por isso, tenha sempre uma opção de endereço com caráter mais corporativo e evite e-mails que contenham apelidos ou qualquer conotação informal.

Aquela vaga desejada, na palma da sua mão!

Afinal, isso é o que representa um bom currículo: a chave para muitas oportunidades.

E, como você pôde ver, há maneiras de driblar todas as incertezas e falta de experiência na hora de mandar um currículo.

Agora, é só seguir todas as dicas que demos aqui, se preparar para aquela entrevista e garantir o início da sua carreira promissora.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail e turbinar seus estudos!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.