crase

Crase: Guia definitivo para estudantes (2021)

“Mas, e agora? é há, à, a, ou á?”

Você provavelmente já se deparou perguntando a si mesmo qual é a aplicação correta da crase em um texto, não é mesmo?

Das várias regras da língua portuguesa, a crase é, talvez, uma das que mais podem confundir na hora da escrita.

Afinal, quem nunca passou aquele nervosismo de escrever corretamente uma redação importante, como a de uma entrevista de emprego, ou naquele vestibular tão desejado?

Se você também já passou por tudo isso, esse texto vai te ajudar a nunca mais errar e a melhorar o português.

Vem com a gente que vamos explicar passo a passo o que é a crase e como utilizá-la corretamente. 

Quando usar a crase?

Usamos a crase quando temos o encontro de dois “A”s

Mas, como assim?

Crase é o nome dado à junção de duas vogais iguais, no caso a preposição “a”, com o “a” de um artigo feminino ou o “a” dos pronomes relativos “a qual” ou “as quais”.

Veja alguns exemplos:

Entregaram o exercício à professora.

No caso acima, temos uma crase, pois existe o encontro da preposição “a” com o artigo feminino “a” que acompanha “professora”.

Ou seja, 

Entregaram o exercício a + a professora.

A praia à qual fomos

Aqui, o “a qual” serve como complemento do termo: fomos a + a praia, por tanto, “a qual” necessita de acentuação.

Observe que o acento que simboliza esse encontro é o acento grave.

Essas são as regras básicas de uso de crase, porém, existem diversos casos aos quais precisamos olhar com mais cuidado para não errar. 

Mas, calma…

Vamos explicar cada caso.

Veja também: Hífen – O Guia Definitivo para Estudantes

Crase antes de verbo no infinitivo

Quando a preposição “a” acompanha o verbo no infinitivo, não é necessária a acentuação.

Relembrando: o verbo está no infinitivo quando não está relacionado a nenhum tempo ou modo verbal. 

Veja:

  • Começou a cantar a música.
  • Ficou a chorar pela despedida.

Crase antes de pronome possessivo

Nos casos em que a crase acompanha um pronome possessivo, o seu uso é facultativo, ou seja, não é obrigatório.

Relembrando: pronomes possessivos são aqueles que possuem ligação direta aos pronomes pessoais, ou seja, que se referem às pessoas citadas na oração.

Alguns exemplos desse uso facultativo da crase:

  • Agradou muito a/à minha mãe
  • Elogiaram a/à sua inteligência

Crase antes de pronome demonstrativo

Existem situações em que os pronomes demonstrativos “aquele(s)”, “aquela(s)” e “aquilo” necessitam do complemento da letra “a”. Nesses casos, o uso da crase é obrigatório.

Olha só:

  • Eles foram àquela cidade = Eles foram a + aquela cidade
  • Assisti àquele filme = Assisti a + aquele filme
  • Me refiro àquele lugar = Me refiro a + aquele lugar

Crase entre números

Em situações de numerais, a crase só acontece quando o artigo “a” antecede os números, ou caso esteja contraída em alguma preposição.

Observe:

  • A leitura vai da página 15 à 30. ( O “a” está contraído no “da”, logo existe crase).
  • Trabalharemos de 1 a 15 deste mês. (Não há crase, pois não há artigo acompanhando).

Crase antes de horas

Quando tratamos de horas e elas se referem à indicação de um horário ou horas marcadas, existe crase:

  • As aulas começam às 8h
  • Marquei a consulta para às 10h
  • Eu saio do serviço às seis da tarde

Atenção! Existem exceções.

A crase não é aplicada quando usamos as horas como contagem.

Exemplos:

  • As duas horas de estudo rendeu
  • Hoje, a hora passou voando

Se as horas acompanham as preposições “após”, “desde”, “entre” e “para”, não há crase. Veja:

  • Após as duas horas espera.
  • Estou aqui desde as 15h da tarde
  • Fiquei entre as duas alternativas
  • O almoço vai ficar para as 13h

O uso da crase é facultativo se ele é acompanhado da preposição “até”. Olha só:

  • Vou ficar aqui até as/às 15h.
  • Fui até as/às duas lojas.

Crase antes entre dias da semana

“de segunda a sexta” ou “de segunda à sexta”?

Pelo que vimos até aqui, você já deve saber a resposta…

Como crase é o encontro de duas vogais “a” e, neste caso, não temos a presença do artigo “a”, o correto é “de segunda a sexta”, sem crase.

Existem casos em que a crase pode ocorrer, por exemplo, em “da próxima segunda-feira à próxima sexta-feira”, porém, isso ocorre pela determinação dos dias, definidos pelo “a” contido no “da”.

Crase antes de nome próprio

Nomes próprios são aqueles que fazem oposição a um ser genérico. 

Por exemplo: 

  • Cidade é um ser genérico, logo, um nome comum.
  • Porto Alegre é um ser específico, logo, um nome próprio.

Isso pode ser aplicado a nomes de pessoas, cidades, instituições, lugares, dentre tantos outros.

Mas, voltando à nossa explicação sobre crase…

Se o artigo “a” antecede um nome próprio masculino, a crase não existe.

Exceção: Em situações em que as locuções prepositivas “à moda de” e “à maneira de” forem implícitas, mesmo diante de nomes masculinos, a crase é necessária:

Esse texto tem uma escrita à Monteiro Lobato (escrita à moda de Monteiro Lobato

  • Essa jogada foi à Pelé (jogada à moda de Pelé)

Porém, quando o nome próprio é feminino, é preciso analisar.

Quando o nome acompanha o artigo “a”, passando a ideia de intimidade, ou proximidade, existe a aplicação do acento grave. Veja:

  • Falei de Vanessa = Falei a Vanessa

Apenas “Vanessa”, sem o artigo “a”, não transmite a ideia de proximidade ou intimidade com o interlocutor, logo não existe crase.

  • Falei da Vanessa = Falei à Vanessa

Quando se fala “da Vanessa”, o artigo “a” está contigo no “da”, logo, percebe-se uma intimidade ou proximidade com o interlocutor. Assim, o acento grave é necessário.

Em casos de figuras públicas, pessoas famosas, ou situações de formalidade, a crase nunca é usada para não transmitir a mesma ideia de intimidade citada anteriormente.

  • Certificamos a Maria Júlia o título. 

(✔️ Correto, pois Maria Júlia não acompanha o artigo “a”)

  • Certificamos à Maria Júlia o título

(❌ Errado, pois, “a Maria Júlia” transmite intimidade em um momento formal)

Em situações de lugares, a crase só acontece se o nome próprio necessitar de um artigo para complementar, por exemplo:

  • Vamos a Porto Alegre (Não existe crase, pois Porto Alegre não necessita artigo)
  • Vamos à Austrália (Vamos a + a Austrália)

Dica: Em situações assim, troque o verbo “ir” por “voltar”. Se ficar “voltar de”, não tem crase, mas, se ficar “voltar da”, a crase existe.

Crase antes de cidade ou país

Quando usamos o artigo “a” antes de nomes de cidades, não se utiliza crase, pois são nomes próprios que não necessitam de artigo. Veja:

  • Fui a Curitiba (pois, em Curitiba, e não na Curitiba)
  • Vamos a Florianópolis (pois, em Florianópolis, e não na Florianópolis)

Agora, quando falamos de países, a crase só irá acontecer se o nome do país necessitar o acompanhamento de um artigo:

  • Refiro-me à Espanha (refiro-me a + a Espanha)
  • Fomos à Inglaterra (fomos a + a Inglaterra)

Crase no início de frase

Não há regras que impeçam o uso de crase no início de frases. 

Por isso, a atenção ao seu uso é apenas nas regras de aplicação gerais do acento grave.

Veja:

  • Às vezes fico me perguntando sobre aquele ocorrido
  • À sua maneira, ele conquistou todos nós

Crase em locuções adverbiais femininas

Quando falamos de locuções adverbiais femininas, seja no singular, ou no plural, o artigo “a” sempre vai possuir o acento grave.

Olha só:

  • Essa semana irei trabalhar à tarde
  • Fico em dúvida às vezes
  • Fiquem à vontade

Exceção: no caso da locução “a distância”, a crase só é utilizada se estiver determinada.

  • Tudo acontecia a distância
  • Tudo acontecia à distância de dez metros

Quando não usar a crase

Veja, agora, situações em que a crase não é aplicada.

Antes de verbo

  • Isso deu a entender errado
  • O prefeito começou a cumprir as promessas

Antes de pronome pessoal

  • Você prometeu a ele
  • Trouxe notícias a elas

Antes de palavras masculinas

  • O recado foi escrito a lápis
  • Hoje, vim trabalhar a pé

Entre palavras idêntica repetidas

  • Fiquei cara a cara com o juiz
  • Foi necessária a utilização da respiração boca a boca

Antes das palavras “casa” e “terra” (nos sentidos de “lar” e “estar a bordo”)

  • Vou a casa essa semana
  • Quando chegou a terra, o marinheiro encontrou sua família

Atenção: se essas palavras forem qualificadas, a acentuação acontece

  • Vou à casa do meu amigo
  • Quando chegou à terra dos nativos

Antes de palavras femininas genéricas

  • Foi perguntado a pessoas daquela região
  • Chegamos a conclusão de que vamos estudar

Antes dos pronomes “ninguém”, “essa”, “toda”, “cada”, “qualquer” e “tudo”

  • Ela vai chegar a qualquer momento, mas não avisou a ninguém do trabalho.
  • Fico ansioso a cada minuto que passa, pois não sou adepto a essa situação.

Antes do artigo indefinido “uma”

  • Estou concorrendo a uma vaga na faculdade
  • Contei a uma pessoa aquele segredo

Antes de numerais

  • Foram comparados a três estudantes
  • O local é daqui a três quarteirões

Antes de expressões adverbiais de modo com substantivo no plural

  • Completou os cem metros a braçadas rápidas
  • Mesmo a trancos e barrancos, chegamos ao final desse desafio

Após a palavra “candidata”

  • Essa é a candidata a vaga de emprego
  • Foi perguntado a candidata a prefeita sobre suas propostas

Atenção: uso facultativo da crase

  • Fique atento que vamos mostrar quando a escolha é sua!

Antes de pronomes possessivos femininos

  • Eles vieram a nossa casa / Eles vieram à nossa casa

Antes de nome próprio feminino

  • Perguntei a Isabela sobre o ocorrido / Perguntei à Isabela sobre o ocorrido

Antes de locuções adverbiais femininas indicativas de instrumento

  • Lavei a camisa a mão / Lavei a camisa à mão

Observe que, nesse caso, a não utilização do acento grave pode gerar ambiguidade na frase.

Por isso, seu uso é recomendado, mas não obrigatório.

Antes de Europa, Ásia, África, França, Inglaterra, Espanha, Holanda, Escócia e Flandres (nomes de lugar)

  • Fomos a Europa / Fomos à Europa

“Até a”, antes de substantivo feminino

  • Iremos até a cidade para abastecer / Iremos até à cidade para abastecer

5 dicas de ouro para você usar a crase corretamente

A crase, em um primeiro momento, pode assustar, porém, quando olhamos com mais calma para cada situação, tudo fica mais simples, não é mesmo?

E, para facilitar ainda mais, separamos 5 dicas de ouro que vão te ajudar na hora da escrita.

1) Crase é utilizada apenas antes de palavras femininas

Sim! Sabemos que existem exceções como vimos antes, mas, essa é a primeira indicação de que a crase é utilizável. 

Uma prática muito boa é trocar a palavra feminina por uma masculina. Se essa inversão resultar na troca de “a” por “ao”, a crase existe.

Exemplo:

“Fui a praia” tem acento grave?

Se trocarmos praia por sítio, a frase ficaria “Fui ao sitio”. 

Assim, a escrita correta é “Fui à praia”.

2) Em sua maioria, a crase não ocorre antes de palavras masculinas

Isso pode parecer meio óbvio, visto a dica anterior, mas é importante ressaltar pois algumas palavras masculinas acompanham o artigo feminino “a”, o que pode causar certa confusão.

Olha só:

  • Hoje fui à escola a pé.
  • Toda a compra foi feita a prazo.

3) Expressões que indiquem hora SEMPRE acompanharam a crase

Mas, lembre-se! Quando antecede as preposições “para”, “desde” e “até”, a crase não é utilizada, ok? Olha, só:

  • Hoje, acordei às 7h
  • O encontro ficou marcado para às 18h
  • Estou acordado desde as 7h
  • O encontro foi remarcado para as 19h

4) Quando antecede locuções adverbiais femininas que expressam ideia de tempo, modo e lugar.

Veja:

  • A reunião foi adiantada e estou saindo às pressas.
  • Ela vem aqui às vezes.

5) Usos facultativos

  • Antes de pronomes possessivos femininos (a/à minha, a/à tua, a/à nossa…)
  • Antes de substantivos femininos próprios (à vanessa, a vanessa)
  • Depois da palavra “até” (fui até a/à sua casa)

E se você gosta dessas dicas rápidas, o canal Brasil Escola preparou um vídeo explicativo com todas as regras de uso da crase.

Conteúdo para nunca mais errar!

Afinal, sabemos o quanto as regras da nossa língua-mãe podem causar confusão. 

Mas, agora que você já sabe como a crase funciona, é um peso a menos para se preocupar na hora de mandar ver naquela redação importante.

E para garantir essa tranquilidade, também preparamos um texto mostrando 14 erros GRAVES de português

Acesse o link e fique craque na língua portuguesa.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail e turbinar seus estudos!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.