carreira em serviço social

Serviço Social: Guia Definitivo de Carreira e Salários (2021)

Você é aquela pessoa que tem o desejo de mudar o mundo, com perfil de lutar pelos mais vulneráveis e oferecer uma condição de vida mais digna às pessoas?

Se sim, está no artigo certo!

Nesse texto vamos conversar sobre a carreira em serviço social, uma área que ajuda diretamente na diminuição dos abismos sociais existentes no país.

Uma profissão de extrema importância, afinal, segundo dados do IBGE, em 2019, 31,2% dos lares brasileiros viviam em situação de pobreza, ou extrema-pobreza.

Números extremamente preocupantes!

Mas, como o serviço social pode contribuir positivamente com isso?

Bom, vem com a gente que vamos explicar certinho.

Como é a carreira em Serviço Social?

Para começar, o profissional que atua nessa área é chamado de assistente social.

O assistente social tem como função lutar pelos direitos sociais do cidadão, como saúde, educação, previdência social e a habitação.

Também é sua função cobrar das instituições suas responsabilidades perante a sociedade e favorecer o bem-estar coletivo.

De forma prática, o assistente social acompanha o cotidiano das pessoas assistidas, entende suas realidades e, assim, planeja e propõe soluções que melhorarão a qualidade de vida de crianças, jovens e adultos.

Abaixo, confira alguns exemplos de situações onde o assistente social pode se deparar ao longo da carreira: 

  • Pessoas com problemas financeiros;
  • Pessoas com problemas emocionais;
  • Pessoas com problemas psicológicos e abuso;
  • Dependentes de substância químicas.

É uma profissão desafiadora, mas, ao mesmo tempo, extremamente gratificante, pois contribui na transformação de vidas e na defesa da dignidade humana.

E onde o assistente social pode atuar?

Quando se fala em serviço social, é muito comum fazer associação ao setor público.

E sim! Essa também é uma das áreas que o profissional pode atuar, trabalhando, por exemplo, em escolas, prefeituras, governos estaduais e unidades de saúde. 

Inclusive, segundo o Conselho Federal de Serviço Social, cerca de 80% dos profissionais dessa área atuam nesse setor.

Há, porém, outras oportunidades de mercado para esses profissionais. Veja:

Setor privado: 

A adesão por parte da sociedade por um estilo de vida mais saudável e equilibrado tem feito diversas empresas privadas procurarem por assistentes sociais para compor equipes multidisciplinares em suas organizações.

Assim como no setor público, o profissional de serviço social atua planejando, desenvolvendo e executando práticas organizacionais que contribuam com o bem-estar físico e emocional dos funcionários.

Autônomo:

O profissional autônomo pode prestar seus serviços à empresas como, por exemplo, consultor de direitos sociais, bem como atuar em projetos grandes, ou pontuais, dentro das organizações.

Outro modo de atuação é em ONGs e/ou movimentos sociais que lidam com pessoas ou grupos em situação de vulnerabilidade social, como o movimento indígina e de direitos da mulher.

Docente:

Outra prática comum é seguir na carreira acadêmica.

Diversos assistentes sociais trabalham como professores em faculdades e universidades públicas e privadas, tanto dando aulas no bacharelado, como também auxiliando ou desenvolvendo projetos de pesquisa e extensão

Veja mais algumas funções do assistente social

  • Gerência de projetos para o desenvolvimento social;
  • Assessoria de órgãos públicos, privados e não governamentais;
  • Pesquisa e estudo de campo;
  • Atuação em campanhas de conscientização de direitos sociais;
  • Mediação de interesse entre empregadores e empregados;
  • Promoção de campanhas para o bem-estar no ambiente de trabalho.

Como podemos ver, é uma profissão que oferece uma grande possibilidade de cargos e funções e, por isso, também requer habilidades do profissional que escolhe exercê-la.

Separamos algumas a seguir.

O perfil de um assistente social

perfil de assistente social

Ser um bom comunicador

O serviço social exige do profissional o contato direto com pessoas de diferentes níveis de escolaridade e, por isso, é essencial saber se comunicar bem com todos os públicos, de maneira clara e precisa.

Ter uma boa relação interpessoal

A essência da profissão é lidar com pessoas e, para uma boa atuação, é fundamental saber interagir de maneira respeitosa com o outro.

Saber negociar

Lidar com as necessidades das pessoas requer o debate de interesses e a capacidade de negociação se torna essencial na gestão destes conflitos.

Gostar de ler e escrever

Diariamente o assistente social precisa emitir relatórios de seus projetos e ações, bem como ler e interpretar bem documentos e dados complexos. 

Ter o domínio da língua e boa interpretação de texto é essencial nesses momentos.

Ser crítico e reflexivo

Diversas vezes, o assistente social atuará como representante dos menos favorecidos.

Por isso, a necessidade de uma postura analítica é fundamental para a tomada de boas decisões.

Ser dinâmico e flexível

A rotina da profissão pode levar o profissional a se deparar com situações totalmente fora do escopo planejado e é necessária a capacidade de adaptação para a gestão de imprevistos.

Ser empático sempre

E claro, muita empatia!

Se colocar no lugar do outro é a regra número um dessa profissão.

Agora que você já sabe como é a carreira em serviço social, chegou a hora de falarmos um pouco sobre o mercado, como também a faixa salarial.

Afinal, é importante estar bem para poder ajudar as pessoas no potencial máximo de cada um, não é mesmo?

Então, como é o mercado de trabalho?

Como vimos, há oportunidades de empregos nos setores público, privado e não governamental e, a cada dia mais, o mercado e a sociedade necessitam de  profissionais com essas capacitações.

Embora o profissional não lide necessariamente apenas com pessoas à beira da pobreza, no Brasil, os abismos sociais ainda são enormes:

  • Segundo dados do IBGE e do Banco Mundial, em 2020, o Brasil era o nono país mais desigual do mundo.
  • E também, ainda de acordo com o IBGE, 22,1% dos jovens brasileiros, de 15 a 29 anos, não estudavam e nem tinham ocupação em 2019 e, destes, mais de ¼ eram nordestinos.

Essas são apenas algumas amostragens da desigualdade brasileira, mas, ao mesmo tempo, representam a crescente necessidade de assistentes sociais na diminuição destes abismos.

E quanto ganha um assistente social?

Segundo a tabela do Conselho Federal de Serviço Social, o CFESS, os valores a serem pagos, por hora, a profissionais “sem vínculo empregatício, estatutário ou de natureza assemelhada” são os seguintes:

  • Graduados(as): R$ 143,43 / hora
  • Especialistas: R$ 161,09 / hora
  • Mestres(as): R$ 203,01 / hora
  • Doutores(as): R$ 229,50 /hora

Vale lembrar que, no Brasil, não existe um teto salarial unificado.

Cada órgão regional é responsável por estabelecer esse teto para os profissionais que atuam em suas regiões.

Esses são os valores atualizados e que passaram a valer a partir de setembro de 2020.

E, ah!

Essa tabela é corrigida anualmente pelo IPCA-IBGE e, de acordo com a Lei 8.662/1993, a jornada semanal do profissional deve ser de até 30 horas.

E como ser um assistente social profissional? Precisa de Diploma?

Essa resposta é bem simples e direta: assistente social precisa de diploma, sim!

O serviço social, é regulamentado desde 1993 e, assim como toda profissão regulamentada no Brasil, é necessário um diploma de bacharel em serviço social para poder atuar na área.

Porém, esse é apenas o primeiro passo para ser um assistente social profissional.

Também é preciso ter credenciamento no Conselho Regional de Serviço Social, o CRESS.

O CRESS, junto com o CFESS, atuam nas atividades que a regulamentação da profissão de serviço social exige.

E como obter um diploma em serviço social?

Assim como todo diploma, é preciso ingressar e concluir um curso para obtê-lo.

Neste caso, o curso de bacharel em serviço social.

De forma geral, é necessário cumprir toda a carga horária de aulas do curso, bem como apresentar um Trabalho de Conclusão de Curso, o TCC, e realizar o estágio prático obrigatório.

Em média, o curso dura quatro anos, divididos em oito semestres.

Onde cursar a graduação em serviço social?

A necessidade do bacharel para atuação profissional torna importante a escolha de uma boa instituição de ensino e a Escola Conquistadora, Polo Ulbra reconhecido, é uma excelente opção.

A grade curricular oferece um leque de matérias que abrangem as áreas de ciências humanas e sociais, bem como o campo da ética e de gestão de projetos:

  • Desenvolvimento e Sustentabilidade;
  • Serviço Social Contemporâneo;
  • Gestão e Empreendedorismo Social;
  • Políticas Sociais Específicas;
  • Pesquisa em Serviço Social.

Essas são apenas algumas das matérias que compõem a grade curricular e preparam o aluno para responder às demandas sociais, produzir conhecimento e estar preparado para o mercado de trabalho.

No TCC e no estágio obrigatório, é possível vivenciar a prática da profissão ainda na faculdade, sendo de muita importância na preparação para atuação após se formar.

O curso tem duração de quatro anos e acontece na modalidade EAD.

Agora, você já sabe tudo sobre serviço social!

E, não… infelizmente, não temos a solução para todos os problemas citados no começo desse artigo…

Mas, por outro lado, podemos contar com esses profissionais que fazem um excelente trabalho no meio social.

E, se você chegou até aqui, e identificou-se com essa profissão, que tal se profissionalizar nela?

Acesse o link, inscreva-se no vestibular da Ulbra e saiba mais sobre como fazer parte do time desses agentes de mudança. 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail e turbinar seus estudos!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.